Links:

Doriana Mendes no MySpace
2dB duo
Quarteto Colonial
Bryan Holmes
Tim Rescala

Jocy de Oliveira
Karen Acioly
Cia. Quem São Esses Caras?

 

Website otimizado para resolução de 1024 x 768. Se você não tiver instalado o Flash Player pode fazer download aqui ou acessar o menu no final desta página.
 

 

Doriana Mendes nasceu em Bauru e iniciou seus estudos de dança clássica aos cinco anos de idade em Ribeirão Preto, passando por diversas escolas do interior de São Paulo e logo pela Escola de Ballet do Teatro Castro Alves em Salvador-BA. Aos quinze anos começou a dar aulas no estúdio da Associação Luso-Brasileira em Bauru e aos dezesete, incentivada por Yola Guimarães, viajou para estudar dança em New York com professores do Alvin Ailey American Dance Center e nos estúdios de David Howard e Jenniffer Müller. Teve também entre seus mestres Tatiana Leskowa, Aldo Lotufo, Ceme Jambay, Ricardo Ordóñez, Sonia Motta e Renato Vieira. Como atriz, teve aulas com grandes mestres-atores como Sérgio Britto, Cláudio Corrêa e Castro e a mímica Denise Stoklos.

Em 1984 estreou no Teatro de Arena do Rio de Janeiro o musical A Lenda da Pérola, cujo diretor musical "descobriu" o potencial de Doriana como cantora. Desde aquele momento, começou a estudar canto popular com Marco D'Antonio e dois anos depois canto lírico com Graziella de Salerno no Conservatório Brasileiro de Música. Após estudar com o maestro Andé Vivanti e com a soprano Carol Mc Davit decide, em 1995, ingressar no Bacharelado em Canto da Universidade do Rio de Janeiro (UNIRIO), onde teve Eliane Sampaio como professora.

Foi solista e assistente da coreógrafa Regina Miranda na Cia. AtoresBailarinos-RJ de 1986 a 1997, ano em que sua carreira começou a centrar-se prioritariamente no canto lírico, não sem antes ter se apresentado com Tim Maia e com Jorge Ben Jor, deixando dois CDs e um DVD lançados pela Warner Music e pela SonyBMG. Cantou também no projeto solista de Sérgio Dias, guitarrista e compositor da banda Os Mutantes. Mas todos estes conhecimentos fizeram de Doriana uma artista multifacética. Em 2000, por exemplo, integrou o elenco da novela Laços de Família de Manoel Carlos, na Rede Globo e em 2001 foi Kathy no musical Company de Stephen Sondheim, montagem de Charles Möeller e Cláudio Botelho, sucesso de público e crítica tanto no Teatro Villa-Lobos como em São Paulo no Teatro Alfa. No mesmo ano interpretou o papel de Polly na montagem de André Heller para a Ópera dos três Vinténs na sala Baden Powell e se apresentou no espetáculo musical de bonecos Noite Feliz de Miguel Vellinho, no Teatro do Museu Histórico Nacional-RJ e no FIT de Belo Horizonte. Atuou com Marília Pêra no célebre musical A Estrela Dalva (1987) dirigido por Roberto Talma. Atuou com Claudia Ohana e Tuca Andrade no musical Rocky Horror Show, dirigido por Jorge Fernando. Protagonizou o Cabaret La Boop, com roteiro de Leo Jaime e Mig dirigido também por Jorge Fernando, dividindo o palco com Flávio Bauraqui e Alexandre Dantas. Coreografou e atuou em musicais da diretora Karen Acioly (Pianíssimo, Garoto Noel, Quem Inventou o Brasil, A Excêntrica Família Silva, Auto de Natal Excêntrico, Os Meus Balões e Sinfonieta Braguinha). Fez a direção de movimento do espetáculo Unha e Carne, com as atrizes Denise Del Vecchio e Lília Cabral e, em 2004, a direção de movimento do Cine Teatro Drive-In da Cia. Quem São Esses Caras?, dirigida por Henrique Tavares, peça pela qual recebeu elogios da crítica especializada. Da mesma companhia, fez a direção de movimento de A Força do Destino, adaptada do romance de Nélida Piñon -sendo selecionada como uma das 10 melhores peças de teatro de 2006 pelo jornal O Globo- e em 2008 de Nenê Bonet, apresentada no CCBB do Rio de Janeiro.

Doriana criou alguns dos personagens mais importantes das óperas de Jocy de Oliveira, fazendo sua estréia internacional no Teatro da Ópera de Darmstadt com As Malibrans, apresentada em 2000 e reencenada em Buenos Aires em 2002. Foi solista durante dez anos do conjunto vocal Calíope (Prêmio Carlos Gomes ao melhor conjunto vocal brasileiro), com o qual realizou turnês pela França, Alemanha e Chile, cantando de música colonial brasileira até música contemporânea ―como a ópera O Pescador e sua Alma de Marcos Lucas, adaptada por Guilherme Miranda do conto homônimo de Oscar Wilde― e gravando numerosos CDs. Realizou concertos com o Calíope e com o Quarteto Colonial nas Embaixadas do Brasil em Berlim e em Santiago do Chile, graças ao Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural do Ministério da Cultura. À frente da OSB e do Coro Sinfônico do Rio de Janeiro, fez o solo de soprano da Fantasia Coral de Beethoven sob a regência de Yeruham Scharovsky na Sala Cecília Meireles. Em 2003 se apresentou nos espetáculos O Último Dia, dirigido por Sérgio Britto e Barroco!, dirigido por Alberto Renault, ambos com direção musical do cravista Marcelo Fagerlande. Em 2005 atuou em Paris e na Abertura da Saison de Jeune Public do Festival de Nanterre, com a Sinfonieta Braguinha de Karen Acioly. Sob a direção de Tim Rescala atuou no espetáculo Música e Literatura da série Multimúsica do SESC-RJ e Pianíssimo in Concert no Festival do Vale do Café em Vassouras-RJ. Em 2008 encarnou as personagens Emília e Dona Benta (Monteiro Lobato) na re-estréia da ópera de Rescala A Redenção pelo Sonho, apresentada no Palaço das Artes (MG) e no Teatro Nelson Rodrigues (RJ), dirigida por Chico Pelúcio e acompanhados pela Cia. de Bonecos Giramundo. Viveu ainda a personagem Despina na montagem de André Heller da ópera Così Fan Tutte, e foi a Ninfa em L'Orfeo de Monteverdi apresentado no Theatro Municipal do Rio de Janeiro em 2007.

Como solista convidada em festivais de música contemporânea, participou de quatro edições da Bienal de Música Brasileira Contemporânea, do IV Encontro Latino-Americano de Compositores e Intérpretes (Belo Horizonte 2002), do IV Festival Internacional de Música Contemporánea de Valparaíso “Riccardo Bianchini” (Valparaíso, Chile 2005), da série Cenas da Música Contemporânea (2006 e 2007) no Centro Cultural Telemar/Oi Futuro e dos VII e IX Festival Internacional de Música Contemporánea de la Universidad de Chile (Santiago de Chile, 2007 e 2009).

Colabora regularmente como intérprete e coreógrafa com vários compositores, tais como Vania Dantas Leite, Jocy de Oliveira, Tim Rescala, Marisa Rezende, Bryan Holmes, Daniel Quaranta, Neder Nassaro, Elaine Thomazi Freitas e Fernando Riederer. Eles e outros importantes compositores brasileiros têm concebido obras especialmente para Doriana, que possui a faculdade rara de executar coreografias e canto lírico de forma sincrônica, valendo-se de uma série de técnicas corporais e pesquisas cênicas que a levaram a cursar o Mestrado em Música na área de Práticas Interpretativas na UNIRIO, com sua pesquisa sobre A Versatilidade do Intérprete Contemporâneo. Sendo a primeira colocada no programa de pós-graduação, tornou-se bolsista do CNPq e posteriormente da FAPERJ.

Junto ao violonista Rodrigo Lima criou em 1997 o Duo Laguna, que ganhou o primeiro lugar no X Concurso Nacional de Violão Souza Lima em São Paulo. O duo gravou um CD homônimo de modinhas e lundus, o qual é utilizado como material didático nas escolas de música do Rio de Janeiro. Integrante do Quarteto Colonial, dirigido pela cravista Maria Aida Barroso, desde a sua criação em 2003 viajou pelo Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste do país, com as turnês patrocinadas pela Funarte-Petrobrás O Sacro & O Profano na Música Brasileira do Século XIX e Brasil a Quatro Vozes. Em 2008 seu CD O Sacro & O Profano na Corte de D. João VI foi lançado pela Biscoito Fino, com apôio da Prefeitura do Rio de Janeiro comemorando os 200 anos da chegada da família real portuguesa à cidade. O CD se esgotou rapidamente, sendo realizada uma nova tiragem. Foi também convidada a integrar o conjunto Foles, com o qual canta músicas do Noroeste ibérico e do Nordeste brasileiro junto a gaitas de foles, flautas, acordeão e percussões, e tem uma parceria com o pianista Franco Bueno, com quem fez repertórios como cabaret francês e alemão, romantismo apresentado no CCBB de Brasília e música de câmara contemporânea premiada nas últimas Bienais no Rio de Janeiro.

Foi professora de canto lírico na Escola de Música da UFRJ em 2006 e 2007. Vem atuando expressivamente na área da dublagem cantada, tendo representado vários personagens de Walt Disney como por exemplo Pinóquio, Tico e Teco e mais recentemente a Branca de Neve em Shrek Terceiro, personagens de Tinkerbell 2 e Disney on Ice: Princesses on Parade. Sua discografia compreende quinze CDs que vão do antigo ao contemporâneo, do popular ao erudito, passando também pela música infantil. Em conclusão, Doriana é uma intérprete versátil da partitura ao palco.

home | currículo | discografia | fotos | contato